Crítica a «Estuário», por Eduardo Pitta

2018-06-21 09:55:06

Hoje na Sábado escrevo sobre Estuário, de Lídia Jorge (n. 1946). Tendo a ficção portuguesa sofrido uma guinada quando a autora publicou o primeiro livro, é bom verificar que, ao fim de 38 anos, a obra permanece incólume. O título mais recente mantém a pujança inaugural. Dominando na perfeição todos os recursos narrativos, Lídia Jorge constrói o romance a partir da figura de Edmundo Galeano, um jovem regressado do inferno de Dadaab, um dos campos de refugiados que o ACNUR mantém no Quénia, lá onde «o passado estava a extinguir-se e o futuro surgia com a configuração deprimente de uma civilização alimentada de pó.» Edmundo voltou com a mão direita praticamente reduzida ao indicador, mas nem por isso deixou de querer escrever um livro sobre o quotidiano atroz desses povos desapossados. A maior dificuldade era mesmo como chamar-lhe. A autora é muito hábil na forma como ilustra o contraponto das premências. De um lado, os equívocos da ajuda humanitária. Do outro, o desajuste das famílias. No plot, leva a melhor o lado da guerrilha familiar, cada irmão cada pulsão, segredos, mentiras, dribles e compromissos, a Titi entre uma cadeira e a cama, o velho armador em vias de perder os dois navios que restavam, o primogénito cheio de si, a mana azarada, o advogado falido e o cavalo Imortal, mais os outros todos. É uma família portuguesa, com certeza. Acerca de nós todos já a autora provou saber. Sirvam de exemplo dois romances sintomáticos: O Dia dos Prodígios (1980), parábola do desencontro entre o país rural e a ‘vanguarda abrilista’, e A Costa dos Murmúrios (1988), sobre sequelas da guerra colonial em Moçambique. O regresso de Edmundo à casa do Largo do Corpo Santo, no Cais do Sodré, onde o pai acabaria por enforcar-se, coincide com o desmoronar da família Galeano: os navios fundeados em Abidjan foram arrestados, Sílvio vendeu o iate BlowUp, tudo rui à volta deles. Só o livro continua por escrever. Talvez por isso surjam, como tentames literários, excertos truncados da Ode Marítima, de Fernando Pessoa, da Ilíada, o poema épico atribuído a Homero, e de uma citação de Philippe Jaccoter. Cinco estrelas. Publicou a Dom Quixote.

Eduardo Pitta

(em http://daliteratura.blogspot.com/)

Voltar